terça-feira, 12 de julho de 2011

Protista

Um lindo Trichodina ciliado

Cryptomonads: navios de guerra encouraçados movidos a energia solar
Post muito legal que mostra para nós as maravilhas que se escondem do nosso limitadíssimo poder de visão. Sabe aquele lago perto da sua casa, ele pode conter os mais doidos seres vivos que você jamais imaginou. E esse aqui tratado no post é incrível. Primeiro, ele faz fotossíntese, produz todas as moléculas orgânicas de que precisa, mas isso não significa que ele não ataque e consuma alguns outros seres vivos (como fazem as plantas carnívoras). Pra construir suas moléculas orgânicas os autótrofos precisam das inorgânicas e vão tirá-las de qualquer lugar, seja da água ao seu redor ou de outro ser vivo. Segundo, ele apresenta no seu interior estruturas que podem ser ejetadas de sua superfície, como se fosse um navio de guerra atirando arpões (parecido também com as águas-vivas). Ele poderia usar essas "armas" para se defender ou atacar, mas parece que ele as usa para realizar movimentos bruscos, para o micro tamanho que eles tem, a água não é tão líquida quanto para nós, ela se apresenta muito mais viscosa e, para realizar movimentos bruscos de fuga, por exemplo, o protista tem que lançar esses arpões para um lado e assim se deslocar para o lado oposto. Muito doido, levando em conta que tudo isso acontece em uma celulazinha só (nós temos trilhões), o importante é que lá dentro uma molécula muito especial reside, o estonteante DNA.

2 comentários:

Camila Berto disse...

Fala, Vini!
O que eu acho mais legal nessa história toda é como foi possível criar tantos detalhes e simetria numa única célula. Não é à toa que os grandes artistas foram buscar na "perfeição da natureza" a inspiração para as obras de arte.
Beijos!

Vinícius Penteado disse...

Camila, imagina que doido que não foi quando o microscópio foi inventado. Deve ter sido uma viagem pra fora da Terra, numa gotinha de água. Esse da foto é lindo mesmo né, e tudo muito simétrico. Brigado pela visita. Abraços