segunda-feira, 6 de junho de 2011

Maionese Mortal

E. coli e chassis
Post de um pesquisador que trabalha com E. coli, não a mortal que está infectando pessoas na Europa, mas a nossa de sempre, utilizada há anos como modelo na engenharia genética. O autor discute a possibilidade de que consigamos descobrir o "genoma de Occam", o mais simples de todos, aquele capaz de montar uma célula e fazer com que ela se reproduza, e só! Não vejo a hora que esse dia chegue, e estamos perto. Descobrir a receita básica de vida e os poucos genes que tornam tudo isso possível seria incrível. Voltando para a bactéria, você tem noção que essas mortes só estão acontecendo porque algum cidadão do inferno não tomou medidas de higiene básica na lida com um determinado alimento (muito provavelmente foi isso que aconteceu)? Ele só precisava ter lavado as mãos depois de ter mexido no esterco de vaca antes de ir mexer nos brotos que nós consumiríamos. Era só lavar a mão!!!! Lavar a mão, isso, lavar a mão, aquilo que toda mãe fala pra gente quando somos crianças. A espuma do sabão é a melhor maneira de retirarmos o microrganismos da mão, ela tira todos na marra, fisicamente, independentemente da sua patogenicidade. O que está acontecendo lá na Europa eu já vi acontecendo aqui no Brasil várias vezes: a maldita da contaminação por maionese, que já deve ter matado muito mais nesses anos todos. De novo, é só armazenar direito a bendita, em baixa temperatura, mas sempre tem um espírito de porco que não toma medidas simples e ridículas para manter a saúde de seus companheiros de sociedade. Quem domina o mundo são as bactérias, elas só não nos dizimaram totalmente até hoje porque conseguimos criar artimanhas para combatê-las, mas é só você dar um micro brecha que lá vem elas mostrando quem é que manda no pedaço.

9 comentários:

Karin disse...

Imagina se eu adorei o assunto?
Pois é, Vinícius, sou chamada de paranóica, mas insisto muito com as pessoas que convivem comigo que o mínimo de higiene é necessário! Difícil é fazer as pessoas entenderem e acreditarem que há bactérias em tudo, que elas existem mas a gente não consegue ver.
Desde que começou esse assunto da E. coli mortal me inchei pra falar: "se tivessem lavado as mãos, se tivessem higienizado de forma correta e processado termicamente os alimentos isso não estaria assim". Há dúvidas sobre a forma de disseminação da bactéria, queria estar lá pra afirmar que no início a contaminação foi do alimento para a pessoa, mas agora, certamente, a contaminação já é de pessoa pra pessoa. E pode acabar se algumas atitudes higiênicas e sanitárias forem seguidas.
Tenho dó da bactéria que é chamada de mortal e assassina! As pessoas é que deviam ser chamadas de sujinhas e ignorantes (ignorantes porque desconhecem microbiologia)!
Até mais!

Vinícius Penteado disse...

É isso aí Karin, brigado.
Mas acho que as pessoas conhecem microbiologia sim, o que acontece é que elas se apegam a velha história de que "comigo nada acontece", até o dia que o cidadão contaminar a mãe, aí sim ele vai sentir na pele
Um abraço

Karin disse...

Esqueci de comentar algo bem interessante sobre a Escherichia coli. Você deve saber, Vinícius, mas vou postar para seus leitores.
A E. coli é uma bactéria da família dos coliformes, e é a representante oficial das mal faladas coliformes fecais. Todo animal tem essa bactéria nos intestinos. Ela é uma das bactérias utilizadas no padrão da Engenheria de Alimentos. De todo o alimento industrializado (e água também), uma amostra é avaliada microbiologicamente para detectar a presença de coliformes. Se dentre todos os coliformes totais, que são milhões, houver uma única, umazinha só aparição de uma E. coli o alimento é considerado IMPRÓPRIO para consumo humano. Ou seja, E. coli = caquinha na comida! E repito, E. coli é padrão para legislação de alimentos!
Nojinho, né?! Vamos espalhar essa informação?!
Até mais!

Karin disse...

Ah, Vinícius, eu digo que as pessoas desconhecem porque trabalhei um bom tempo fazendo treinamento de pessoal que manipula alimentos (BPM e HACCP). É muito difícil fazer o caminhoneiro que transporta alimentos refrigerados entender que ele não pode desligar a refrigeração do caminhão, é quase impossível fazer o pessoal que trabalha em cozinha de restaurante ou em supermercado entender que não pode espirrar em cima das embalagens, e o pior, é triste a tanto que as pessoas burlam a prática de lavar as mãos quando saem do banheiro. Tive uma "aluna" que disse que não acreditava em micróbios porque ela não estava vendo. Eu expliquei pra ela o conceito de FÉ!!! rsrsrs!!!
O episódio da gripe suína e agora esse da contaminação por E. coli são importantes para informar e educar a população mais carente em ensino, apesar de que falta de higiene não tem a ver nada com o grau de escolaridade ou posição social, é falta de educação e de informação mesmo.
Valeu pelo post!

Vinícius Penteado disse...

Ótimo Karin, adorei
Praticamente um super post
Obrigado
Abraço

ps: a visão é o indipensável, mas muitas vezes ela acaba viciando o cérebro. Não vi logo não existe.

jlviveiros disse...

Mandar lavar as mãos é realmente coisa de mãe. Mas aquela velho ditado de vó "o que não mata engorda" agora esta matando!
Vou continuar sendo chata. "Já lavar as mãos! Lavou? Deixa eu cheirar! rs (pelo menos o cheiro do sabonete tem que ter.) rs

Vinícius Penteado disse...

Que desconfiança Márcia, lógico que eles lavaram, são uns anjinhos

GuH! disse...

Esse surto foi perfeito para acabar com o axioma de Brasil sujo e Europa e EUA limpos...
Pena que com a exportação desses alimentos e o fluxo de pessoas relativamente "porcas" entre a UE e a América Latina tornam essa verdadeira "obrada" (no mais literal dos sentidos) um problema aqui no Brasil...

Mas sor, agora uma pergunta... as "E. coli" não são as bactérias comuns ao organismo humano, que ficam em nosso intestino e são utilizadas como marcador natural de tratamento de água (os coliformes fecais)? Então ela sofreu algum tipo de mutação?

Abraço.

Vinícius Penteado disse...

São variações sobre o mesmo tema, Gustavo. As E. coli realmente estão presentes nas nossas fezes, mas existem umas cepas que podem chegar e acabar conosco. Não se esqueça que, apesar de vivermos em aparente harmonia com a nossa flora, basta um problema sério com nosso sistema imunológico pra que elas mostrem seu lado "lobo" e dominem a situação, o que geralmente culmina com nossa morte. Apesar de mutações não serem algo desejável pelos organismos, o número de bactérias geradas é muito grande, e a chance das mutações aparecerem e perdurarem é grande
Abraço
Brigado