domingo, 19 de junho de 2011

Dawkins, Dennett, Harris e Hitchens

Os quatro cavaleiros do ateísmo - o debate
Muito bom o documentário, ótimo jeito de ter um pequeno acesso as ideias desses pensadores sem que eles sejam arguídos com perguntas tolas de alguns fundamentalistas que desejam colocar seus pensamentos a prova, porque não aceitam que outra pessoa pode ser capaz de viver sem possuir uma fé cega. Se fosse possível que as pessoas pudessem desenvolver sua fé cega e, ainda sim, tivessem tempo para questionar as coisas do mundo sem que ela interferisse, pra mim tudo bem. Mas isso parece ser uma utopia, ou se tem fé cega ou se racionaliza o mundo, as duas coisas não podem coexistir em um mesmo cérebro. E acredito piamente que nosso mundo seria melhor se as pessoas racionalizassem (sem perder o sentimentalismo, não é essa minha discussão) e pensassem o mundo de maneira mais objetiva, afinal todas as mentes poderiam se unir para pensar um mundo melhor (outra utopia). Falar a respeito do ateísmo, e de como seria o mundo sem a fé cega também é um exercício de predição difícil, não dá pra saber se não criaríamos algo pior pra substituir esse "vazio da alma" criado para muita gente. O que esses bilhões de pessoas fariam? No dia a dia temos tantas coisas pra nos preocuparmos que não temos tempo para questões filosóficas, mas e nos fins de semana? Será que se não formos pensar indo aos cultos religiosos não pensaríamos em mais nada?. São questões que me enchem a cabeça mas que acredito ter a resposta: sem fé cega ou com fé cega continuaríamos a viver num mundo no qual existiriam pessoas sem educação e com educação, e isso faz toda a diferença. Eu poderia ficar escrevendo bastante aqui sobre o tema, mas você tem 2:00h de documentário para assistir (se quiser continuar viajando nesse tema), e são duas horas que exigem que você preste atenção nas palavras ditas. Não encare os quatro como demônios, apenas como pessoas que tem algo a dizer que vai contra o que você pensa (ou a favor, lembrando o Ateus do Além) e que podem ter argumentos muito bons. Assista.

Dawkins - Não, não o considero um "Deus" mas sim um excepcional argumentador.

4 comentários:

Marcos disse...

Bitão,

Lembre-se que os cavaleiros do apocalipse também eram 4... E esses caras nem para serem criativos.

Por fim, só para provocar:
"O ser humano é cego para os próprios defeitos. Jamais um vilão do cinema mudo proclamou-se vilão. Nem o idiota se diz idiota."

Nelson Rodrigues

Diálogo e tolerância não faz mal a ninguém.

Abrass

Vinícius Penteado disse...

Concordo Marcos, o diálogo e a tolerância são o caminho pra tudo, aceitar os outros como eles são é dever do cidadão. O que eu gostaria é que as pessoas não se viciassem em religião para o lado ruim (pro lado bom ótimo). Muitas das pessoas das quais eu mais gosto são religiosas e não parecem que tem mentes "travadas", ao contrário, parecem muita abertas a encarar cada indivíduo como único.
A ideia que os quatro me passam é de que eles gostariam de um Estado no qual as barbaríes cometidas em nome da religião passasem longe. E nisso acho que todos nós concordamos
Brigado por visitar o blog e por comentar
Abração do Bitão

GuH! disse...

Tudo tem limite. Infelizmente não podemos nos tornar muito céticos (o que é uma pena) pois cairemos no "desengaño" da vida (morreremos um dia), e não podemos nos tornar religosos radicais para não cairmos na ignorância e ilusão. O meio termo é perfeito, saber das coisas e viver de bem com a vida! CARPE DIEM.

Vinícius Penteado disse...

Fala Gustavo
Devemos sim nos tornar bastante céticos, o ceticismo não nos impede de tomarmos conhecimento das coisas e nos maravilharmos com a natureza e todos os seus percalços. Aliás acho que uma sociedade de céticos seria algo muito interessante. È uma nova perspectiva que poderia dar certo. Também acho que o meio termo é legal, mas acho que não devemos ficar em cima do muro, mas sim pendurado de um lado dele, pra sempre lidarmos com o fato de lá estarmos, com os braços doendo e termos a chance de levantarmos um pouco a cabeça e enxergarmos o outro lado.
Abraço
Obrigado